Screen

Profile

Layout

Direction

Menu Style

Segurança de Barragens e Sistemas de Gestão de Riscos

  • PDF

O assunto de segurança de barragens vem sendo foco de atenção crescente no mundo todo, pela recorrência com que tem se manifestado o problema de rupturas e mau desempenho destas barragens.

O ICOLD (International Commission on Large Dams), o MAC (Mining Association of Canadá) o ICMM (International Council on Mining and Metals) e o Banco Mundial, dentre outros organismos, vêm empreendendo esforços para definir procedimentos de gestão da segurança de barragens, principalmente barragens de rejeitos, com o objetivo de reduzir as ocorrências de acidentes em barragens deste tipo. No Brasil, o assunto é também objeto de preocupação, sendo a segurança das barragens de rejeito, objeto de regulamentação por parte de órgãos licenciadores.

O COPAM e a FEAM, órgãos de controle e fiscalização ambiental do estado de Minas Gerais, estabeleceram normas para a gestão da segurança das barragens de rejeitos.

Conforme estabelecido por estas normas, os proprietários de barragens de rejeitos, têm a responsabilidade de promover as ações necessárias, como manutenção da segurança destas barragens, incluindo a avaliação periódica de segurança e a auditoria independente de segurança das barragens, feitos por profissionais especializados.

A nova lei sobre segurança de barragens (nº 12.334, de 20 de setembro de 2010) obriga os proprietários a implantarem um sistema de gestão de segurança.

Os componentes da equipe especializada da Pimenta de Ávila têm ampla experiência na avaliação, diagnóstico e encaminhamento de soluções de problemas de segurança de barragens de rejeitos, adquirida ao longo de décadas de atuação em engenharia de barragens.

Dentre todas as atividades relacionadas à gestão da segurança de barragens e pilhas de estéril. Inclui-se:

  • Avaliação das condições de segurança das estruturas, diagnóstico e identificação dos fatores de risco;
  • Caracterização das ações requeridas para a reabilitação e adequação da segurança;
  • Elaboração de plano de ação para reabilitação;
  • Elaboração de planos de monitoramento, manuais de inspeção de segurança e manuais de operação com as rotinas operacionais requeridas;
  • Operação dos sistemas de instrumentação, execução de leituras, relatório de leituras e avaliação de desempenho;
  • Auditoria técnica de segurança de barragens e pilhas;
  • Formulação e implantação de sistemas de gestão de riscos.

Atualmente, a Pimenta de Ávila é responsável pela auditoria de segurança das barragens e pilhas de estéril de todas as minas da Vale.